terça-feira, 1 de abril de 2008

is yesterday, tomorrow or today ?

"when the broken hearted people living in the world agree,
there will be an answer, let it be.
For though they may be parted there is still a chance that they will see,
there will be an answer. let it be."
-- Beatles.
É lindo conhecer alguém, não esses relacionamentos modernos que no máximo se sabe o sobrenome do próximo. Lindo é você saber a cor preferida da pessoa, o que a deixa fascinada, o que a faz preferir o silêncio do que palavras inúteis ao tentar explicar a beleza da natureza e do Amor. Mas existe um momento que apenas conhecer esses detalhes do ser amado já não é mais suficiente, vem então a melhor parte da existência, ou seja, quando aprendemos algo novo com nossos irmãos. Tem coisa mais patética do que pessoas que passam na nossa vida e não acrescentam nada ? Existe individuo mais desgraçado do que aquele que vive na má-fé, que não faz da sua vida arte? Eu e meus pequenos prazeres... eu tive sempre vontade de encontrar alguém que me mostrasse mais coisas grandiosas em meros detalhes, os pequenos detalhes, os simbolos que para poucos tem sentido e beleza. Aprendi a sentir prazer em andar no meio da rua; A chuva nunca mais foi a mesma depois daquele dia especial, a chuva agora tem nome e seu antônimo é a solidão. Sou uma pessoa que se sente livre apenas pela manhã, de tarde sou encantado por Monet, de noite eu me redimo em contemplação à Lua. Conhecer alguém é não precisar mais das palavras, é um abraço de quem a gente ama e que não precisa de explicações, esse ato por si só cura qualquer ferida e abre caminhos novos para felicidade. Quando conhecemos alguém é como dois rios que se juntam e depois de misturados jamais serão distintos novamente. O perfume de um fica impregnado no outro, sente-se o coração apertado em noites frias. Nós ousamos atacar a hipocrisia de um mundo que tem medo de Amar.

Claude Monet, La Grenouillère, 1869

2 comentários:

Ani Cristina Bariquello disse...

"...é como dois rios que se juntam e depois de misturados jamais serão distintos novamente".

Não lembro se você já mencionou se gosta do modernismo ou não. Eu gosto em parte.

Seu texto em geral, mas principalmente está parte, me fez pensar em um poema modernista, está entre meus prediletos: Resíduo. É uma reflexão sobre tudo que se colhe do externos e que permanece em nós, objetos, situações, sensações, ... pessoas.

Impossível não pensar sobre o quanto é bom conhecer um ser humano, melhor ainda em seus pequenos detalhes que o diferenciam dos demais, e mais, quando este ser é o ser amado e é possível identificar nele pequenas coisas que são boas e permanecerão.

Diego Augusto Mélo disse...

E eu sou feliz por tudo de bom e de ruim que tem nos acontecido. Se num dia uma nova ani Nasce e um Diego Morre, no outro eu volto a viver e você morre. Acordamos cada dia sentindo o prazer da juventudo e do companheirismo. Viva! Que viva por muito tempo todo esse nosso heroísmo.

beijo, ani ;*