quinta-feira, 29 de maio de 2008

Estrela cadente

Ontem a noite enquanto eu fumava compulsivamente por causa de uma desavença pessoal, vi uma luz clara passar rapidamente de um lado ao outro do horizonte. Tinha uma calda comprida e naquele momento eu poderia jurar que se tratava de uma estrela cadente. Sempre pensei que isso não existisse na realidade, ficando para o cinema o papel de apresentar este fenômeno aos seres mortais como eu e você. Porém, dessa vez o filme é ao vivo e eu faço parte dele. Não sei qual motivo o diretor teria para me colocar nessa cena. Ela apressadamente calada, clara e bem vestida. Pensando tudo isso em questão de segundos, tive de súbito uma vontade incontrolável de fazer um pedido. Fechei os olhos quando o seu rastro estava quase sumindo; Em voz baixa repeti duas ou três vezes o meu desejo. Logo eu que já não sou mais criança nem de mim nem de mais ninguém, eu que ironizo qualquer tipo de misticismo sem sentido. Saí sorridente do quarto e fui até a sala, fiquei no escuro e liguei a TV enquanto torcia pelo meu pedido ser realizado. Antes da imagem do televisor aparecer eu pude ouvir a voz de um senhor de idade, lembrava-me um dos comentaristas do jornal da noite. Sim, depois de pouco tempo tive a certeza que se tratava do jornal da noite. O homem dizia algo assim: "Ônibus espacial explode enquanto os engenheiros faziam uma manutenção de rotina e..." Não terminei de assistir a notícia, desliguei a televisão e fui dormir acreditando no que vi, basta.

Edvard Munch - Noite em St Cloud, (óleo sobre tela) 1890

4 comentários:

Ani Cristina Bariquello disse...

Ai, ai...

Acredite ou não, eu já vi estrela cadente, ^^, várias, ahã.

Principalmente quando eu acampava com minha família nas férias de verão, sentada na beira do lago, em uma cidade, láaaaa no interior do RS.

Fiquei curiosa sobre o desejo, mas eu sei que é como o de “cílio perdido”, não pode contar, por isso eu não perguntarei, :x.

Mas espero que se realize \o/

Meu comentário foi bobo, mas justifico: ão sei porque esse post deixou-me subitamente contente e com nostalgia da infância. Lembrou-me também de uma música do Gil, que eu ouvia muito na infância, e adorava:

“Há de surgir,
uma estrela no céu cada vez que ocê sorrir;

Há de apagar,
uma estrela no céu, cada vez que ocê chorar;

O contrário também, bem que pode acontecer,
De uma estrela brilhar quando lágrima cair;

Ou então, de uma estrela cadente se jogar,
só pra ver a flor do seu sorriso se abrir
.”

Adorei.

Fernanda Schimanski disse...

Estrela cadente, nunca vi mas não dúvido que exista, tem infinitas possibilidades sobre o que era realmente...ou ainda pode ser um sinal subconsciênte da sua mente dizendo:
"_Diego, no final ainda resta o amanhã, e tudo pode ser melhor se você assim desejar...basta fazer por onde te-lô.."
Enfim, seja o que for foi interessesante pra ti ter visto.

Ani Cristina Bariquello disse...

"... já que não sou mais criança, nem de mim nem de mais ninguém."

:(

Senti vontade de sentir-me feliz novamente, não sei porque imaginei que reler este texto me traria alegria, então o fiz. Não funcionou.

Não sei se era a vontade se foi o espírito com que eu li de manhã, ou a tristeza que eu estou sentindo agora.

Parece que não me ative aos detalhes tristes antes.

Este post é real?

Viu mesmo uma estrela cadente?

Fez mesmo um pedido?

Ouviu mesmo a notícia?

Luana Bonin Portes disse...

Aie!

Não faz isso.
;/