sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Duas obras da engenharia niilista

I (O desenho das palavras)
Ilustrações
assim vejo e sinto as palavras
reais, abstratas, surreais
Das mais variadas formas.

Eu gosto do desenho das palavras
Amor

amizade, esperança.
E tantas outras,
infindáveis...


Algumas palavras são essencialmente belas
à primeira vista me apaixonei por elas,
para além das suas respectivas representações sociais.

A poesia,
é um brinquedo especial
me ajuda a ilustrar fenômenos,

sejam eles alegres ou melancólicos, não importa
O importante é brincar.

II (Resistência)

Declaração de amor
aglomerado de palavras que nascem do desejo de posse.
idealização do eterno
o ser faz de tudo para escapar da morte.

Por acaso você já leu uma carta antiga
e sorriu de raiva,
querendo maltratar o autor?

Mentiroso, maldito poeta, palavras em vão!

Um abraço
Ah! Isso é finito.
Mas tudo o que eu lhe digo
é eterno e absoluto,
belo como a França em tela de
Renoir.

São as melhores palavras que - diariamente - eu escolho
para dizer que te amo.Ficarei guardado por muito tempo em uma gaveta qualquer,
sozinho,

sendo eterna lembrança dos nossos melhores e piores dias.

Um comentário:

Izabella disse...

Meu querido Diguinhu ^^

Não é por preguiça, não é por ignorância o motivo de não comentar em seu blog. Fico admiradissima ao ler seus textos, seus poemas, críticas, gestos, seu modo de sentir a vida e tudo ao seu redor...
Fico muito feliz pelo seus escritos e vejo que a cada dia vc cresce de uma forma inexplicável aos olhos de muitos...

Acho que dessa vez vou te deixar contente né?

A propósito, muitooo boom (tão bom quanto pão de queijo e café) esse poema!

=)